Banner `Pitágoras topo

Cézanne

 

Cézanne

Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839 em Aix-en-Provence, no sul da França. Em 1852 entrou para a escola Bourbon, naquela cidade, onde recebeu cuidadosa educação humanística e travou amizade com o escritor Émile Zola.

Ao concluir os estudos, já interessado em pintura, inscreveu-se na escola de desenho de Aix-en-Provence, mas seu pai o matriculou mais tarde na faculdade de direito. Em 1860, o amigo Zola mudou-se para Paris. Cézanne quis ir com ele para estudar pintura, o que pôde fazer no ano seguinte.

Em Paris, já inscrito na Academia Suíça, mergulhou numa crise emocional desencadeada pela suposição de que o talento de seus companheiros era muito superior ao seu e pela grandiosidade da pintura de mestres como Velázquez, Caravaggio e José de Ribera, que viu no Louvre. Decidiu então voltar a Aix, onde pintou o retrato do pai, "Louis-Auguste Cézanne".

Em breve fez nova incursão a Paris e retomou a amizade com Zola, que o apresentou ao círculo de pintores impressionistas. A influência destes, especialmente a de Camille Pissarro, antigo colega da Academia Suíça, fez com que sua pintura se orientasse para o impressionismo. "Uma Olímpia moderna", "A casa do enforcado" e diversas paisagens foram algumas das obras que apresentou nas primeiras exposições do impressionismo.

A rejeição da crítica e do público a seu trabalho agravou o retraimento de Cézanne, traço que perdurou em seu temperamento, e fez com que ele se afastasse progressivamente da técnica impressionista.

Essa distância se tornou mais evidente a partir de 1879, quando o artista tomou o caminho do construtivismo, mediante o qual procurava, segundo suas próprias palavras, representar a natureza nas três formas que considerava fundamentais: a esfera, o cone e o cilindro.

Em 1886, pouco depois de casar-se, Cézanne recebeu vultosa herança. Instalou em Paris a mulher e o filho, nascido anos antes, e mudou-se sozinho para Aix-en-Provence. Ali pintou uma série de quadros inspirados pela montanha Sainte-Victoire e muitas naturezas-mortas, obras em que sobressaíam a simplicidade geométrica e o meticuloso estudo da composição.

Em 1895, por intermédio do marchand Ambroise Vollard, organizou uma exposição individual que teve fria acolhida por parte do público e da crítica, mas foi admirada pelos artistas mais importantes da época, que viram em Cézanne um excepcional criador. Desse período de maturidade artística são "Os jogadores de cartas" e "Banhistas".

Com a exposição de 1904 no Salão de Outono de Paris, no qual suas obras foram exibidas em sala individual, Cézanne consagrou-se como pintor. Só depois de sua morte, porém, que se deu em 22 de outubro de 1906 na cidade natal, passou a ser reconhecido como um dos mestres da pintura moderna e principal fonte de inspiração do cubismo.