Adorno

 Filósofo, compositor e crítico musical germânico nascido em Frankfurt-sobre-o-Meno, Alemanha, famoso por suas Theodor Wiesengrund Adornodenúncias contra a mercantilizarão que atinge a arte contemporânea. Filósofo e crítico musical estudou composição em Viena com Alban Berg, uma das figuras que mais contribuíram para o amadurecimento da música atonal. Foi professor em Frankfurt, em cuja universidade doutorou-se, e nessa cidade participou (1924), da fundação do Instituto de Pesquisas Sociais, que ficou conhecido como Escola de Frankfurt.

Esta escola constituiu o núcleo de uma linha original de pensamento filosófico-político desenvolvido por Walter Benjamim, Max Horkheimer, Herbert Marcuse, Wilhelm Reich, Jürgen Habermas e o próprio. Emigrou para a Inglaterra (1933), a fim de escapar à perseguição movida contra judeus pelo nacional-socialismo. Foi para os Estados Unidos (1937), onde colaborou decisivamente com o Instituto, reconstituído por seus fundadores na Universidade de Colúmbia. Regressou à Alemanha (1949), retomou a atividade docente e participou intensamente da vida política e cultural do país. Teve destacada e polêmica participação nos movimentos estudantis que sacudiram a Europa (1968). 

Imprimiu um conteúdo sociológico a seus escritos filosóficos e musicais e, dessa forma, produziu algumas das obras capitais do pensamento estético, como a Dialéktik der Aufklärung, em colaboração com Horkheimer (1947), Philosophie der neuen Musik (1949) e a inacabada Ästhetische Theorie (1970), na qual trabalhou até a morte, em Visp, Suíça.

Frases e Pensamentos em Destaque


O humano estabelece-se na imitação: um homem torna-se um homem apenas imitando outros homens.

Nenhum pensamento é imune à sua comunicação, e basta já expressá-lo num falso lugar e num falso acordo para minar a sua verdade.

A decadência da oferta espelha-se na penosa invenção dos artigos para presente, que já pressupõem o fato de não se saber o que presentear porque, na verdade, não se tem nenhuma vontade de fazê-lo.

De homens muito maus não se pode nem mesmo imaginar que morram.

A tarefa atual da arte é introduzir o caos na ordem.

A arte é a magia libertada da mentira de ser verdadeira.

Serás amado apenas quando puderes mostrar a tua fraqueza, sem provocar nenhuma força.

O amor é a capacidade de perceber o semelhante no dessemelhante.

 

 

Imprimir Email

  • /index.php/salas/filosofia/104-filosofos/504-immanuel-kant
  • /index.php/salas/filosofia/104-filosofos/502-pedro-abelardo