Domingos Olímpio

Domingos Olímpio nasceu em Sobral, a 18 de setembro de 1850. Filho de Antônio Raimundo Cavalcanti e Rita Braga Cavalcanti. Bacharelou-se em 1873, pela Faculdade de Direito do Recife.

 Voltando ao Ceará, aqui residiu até 1879, quando se transferiu para Belém, onde advogou, foi Deputado à Assembléia Provincial e batalhou no jornalismo, na defesa das idéias abolicionistas e republicanas. Em 1981, mudou-se para o Rio de Janeiro e foi nomeado Secretário da Missão Diplomática que, em Washington, daria solução ao litígio, sobre fronteiras, aberto entre o Brasil e a Argentina. Escreveu, então, a História da Missão Especial de Washington, ainda inédita. Seu primeiro romance, Luzia-Homem, data de 1903. Na revista "Os Anais", publicou outro romance O Almirante, de costumes cariocas, e a novela Uirapuru, em que descreve cenas do extremo Norte.

 Para o teatro, produziu dramas e comédias: A perdição, Rochedos que Choram, Túnica de Néssus, Tântalo, Um Par de Galhetas, Os Maçons e o Bispo. Foi com Luzia-Homem que se enfileirou entre os grandes autores brasileiros. Domingos Olímpio é Patrono da Cadeira no. 8 da Academia Cearense de Letras. Faleceu a 7 de outubro de 1906, no Rio de Janeiro.

Imprimir Email

  • /index.php/salas/literatura/29-escritores/262-jose-verissimo
  • /index.php/salas/literatura/29-escritores/260-joao-capistrano-honorio-de-abreu